quarta-feira, 15/05/2019

Comitê debate papel de Assistentes Sociais na identificação de vulnerabilidades e prevenção de homicídios

O coordenador técnico do nosso Comitê, Thiago de Holanda, esteve ontem na Faculdade Maciço do Baturité, a convite da organização da II Semana de Serviço Social, para conversar sobre prevenção de homicídios na adolescência. A semana teve como tema “O Assistente Social no combate ao racismo”.

Thiago apresentou as recomendações de políticas públicas para prevenção de homicídios; falou sobre vulnerabilidades de adolescentes, a partir da pesquisa do Comitê, e abordou o papel do assistente social na prevenção de homicídios, na política e nos equipamentos da assistência – CRAS e Creas.

Protocolo e formação

Profissionais e equipamentos da área da assistência social de Fortaleza foram escutados ao longo de 2018 em uma pesquisa feita pelo Instituto OCA em parceria com a fundação internacional Open Society Foundations. A área da saúde também foi pesquisada.

A pesquisa aprofunda uma das recomendações do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência (CCPHA), que trata do apoio e proteção às famílias vítimas de violência. A partir da pesquisa, está sendo elaborado um protocolo de atenção a famílias vulneráveis.

Na assistência, o objetivo foi compreender como a demanda da prevenção aos homicídios tem chegado aos equipamentos, como os profissionais lidam com ela e qual o nível de conhecimento dos técnicos sobre as recomendações para prevenção de homicídios na adolescência, elencadas pelo Comitê.

O resultado será a sistematização de um guia de orientação que auxiliará os profissionais a atuarem a partir de um olhar e de uma prática voltada à prevenção de homicídios. Com base no guia, será realizada posteriormente uma capacitação para 1000 profissionais das duas áreas.